CGJ, Decon e Procon-AM fiscalizam estabelecimento que funcionava indevidamente com nome de Cartório


A Corregedoria-geral de Justiça (CGJ/AM), a Delegacia Especializada em Crimes contra o Consumidor (Decon) e o Instituto de Defesa do Consumidor (Procon-AM), em uma ação conjunta, procederam à fiscalização perante um estabelecimento particular que vinha funcionando com a nomenclatura indevida de “cartório”, o que poderia induzir a sociedade ao erro e à insegurança jurídica.


A ação fiscalizadora foi solicitada pela corregedora-geral de Justiça, desembargadora Nélia Caminha Jorge, nos autos do Pedido de Providências nº 0000178-20.2022.2.00.0804 (PjeCOR).


O referido processo foi autuado pela Associação de Notários e Registradores do Amazonas (Anoreg-Am), que nos autos relatou que tomou conhecimento sobre um estabelecimento, localizado no bairro Praça 14, o qual passou a funcionar com uma placa, em sua fachada, com a nomenclatura “Cartório”.


A Associação de Notários e Registradores do Amazonas, nos autos, ressalta que "aquele empreendimento não guarda qualquer relação com o serviço extrajudicial, embora assim se autoarrogue" e menciona que "além da utilização indevida do nome Cartório, situações como esta induzem a sociedade ao erro, bem como ferem os princípios que norteiam a atividade notarial e registral, em especial o da segurança jurídica, sendo, pois, os impactos sociais, registrais, fiscais, tributários e legais, imensuráveis", aponta a Anoreg-Am


A fiscalização foi realizada pela Corregedoria-geral de Justiça, representada na ocasião pela diretora da Divisão de Expediente/CGJ-AM, Adriana Brito e por representantes da Delegacia Especializada em Crimes contra o Consumidor e do Instituto de Defesa do Consumidor. A ação gerou um relatório, já anexado aos autos, e o referido documento embasará futura decisão do Poder Judiciário, por intermédio da CGJ/AM.


Além de oficiar o Instituto de Defesa do Consumidor (Procon-AM) para a realização de diligências cabíveis, o órgão judicial também oficiou a Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas e a Procuradoria-Geral do Estado.


A Corregedoria também expediu ofício para o Ministério Público Estadual a fim de que seja apurada a conduta narrada nos autos.

Imagem: Acervo (Procon-AM)

SETOR DE COMUNICAÇÃO

imprensa.cgj@tjam.jus.br

0 visualização0 comentário